Notícia publicada em 07/02/2019 | 17:15

Semas acompanha Planos de Manejo realizados no Recife

 

Projeto desenvolvido pelo Prefeitura do Recife é fruto de uma parceria com a CPRH, que disponibilizou cerca de R$ 2 milhões da compensação ambiental da Via Mangue

 

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) se reuniu, na tarde desta quinta-feira (07), com representantes da pasta ambiental da Prefeitura do Recife para acompanhar e trocar experiências sobre a elaboração dos Planos de Manejos em curso na cidade. Iniciado em 2018, o trabalho contempla as 25 Unidades de Conservação da Natureza - UCNs existentes na capital pernambucana e prevê a definição de usos e gestão desses espaços. O encontro aconteceu no auditório do prédio administrativo do Parque Estadual de Dois Irmãos.

 

“Foi uma oportunidade para conhecer mais afundo o trabalho de elaboração dos planos de manejo que vem sendo desenvolvido pela Prefeitura do Recife. Esta iniciativa é fruto de uma parceria com a CPRH, que disponibilizou os recursos da compensação ambiental da Via Mangue – cerca de R$ 2 milhões – para se fazer os planos de manejo de todas as UCNs, que representam 38% do território da cidade”, disse o secretário da Semas, José Bertotti, acrescentado que o encontro também serviu para alinhar o trabalho de colaboração entre os técnicos dos órgãos estadual e municipal.

 

Pelo projeto, as principais áreas verdes da capital pernambucana passam por um grande processo de análise, categorização, e definição de usos e gestão. O trabalho, que deve durar um ano e meio, foi dividido em etapas: diagnóstico das UCNs (levantamento do meio físico, biótico, antrópico – ação e relação do homem com o local -, aspectos legais, etc); categorização e zoneamento (definição de uso sustentável ou proteção integral); realização de programas e planos específicos; criação dos conselhos gestores das UCNs.

 

 

 

Segundo o secretário executivo de Controle Ambiental, Carlos Ribeiro, a iniciativa envolve uma grande participação popular, com a realização de mais 50 oficinas ao longo das diversas fases do projeto. “Já fizemos oficinas de diagnóstico em todas as Unidades de Conservação. Agora, estamos na etapa das oficinas de zoneamento e programas, que devem seguir até meados de abril”, detalhou Ribeiro, que fez a exposição dos dados.

 

Ele também frisou que o trabalho vem sendo realizado por uma equipe da própria pasta municipal de meio ambiente, contratada especialmente para a tarefa. O time é composto por 16 profissionais das áreas de Biologia, Engenharia Florestal, Arquitetura, Sociologia, Serviço Social, Turismo, Administração, Direito e Comunicação. Outro ponto destacado por Ribeiro foi o uso de tecnologias na elaboração dos planos de manejo. Os técnicos contam com drones para filmagens e levantamento de dados, aplicativos e plataformas para acompanhamento e monitoramento online das áreas.