Notícia publicada em 06/02/2019 | 16:04

Semas e Serta querem fechar parceria para o incentivo da agroecologia

   

Até o dia 12 de fevereiro, o Serta está com inscrições abertas para o curso de formação técnica profissional em Agroecologia nos municípios de Glória do Goitá e Ibimirim

 

O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, recebeu, na tarde desta quarta-feira (06), o presidente do Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta), Germano de Barros, juntamente com a assessora político-institucional da entidade, Loudes Vieira. Na ocasião, foram debatidas parcerias para ampliação do impacto de projetos agroecológicos no Estado. O encontro aconteceu na sede da pasta estadual, localizada na Avenida Rosa e Silva, no bairro da Jaqueira.

 

“Este foi o primeiro contato com o Serta, uma instituição que oferece formação técnica profissional em Agroecologia para jovens nos municípios de Glória do Goitá, na Zona da Mata; e de Ibimirim, no Sertão do Moxotó. O encontro foi uma oportunidade para que pudéssemos nos aproximar, conhecer melhor o trabalho que desenvolvido pela organização e avaliar as possibilidades de estabelecermos parcerias para apoiar as iniciativas que visam ao desenvolvimento sustentável do estado”, colocou Bertotti.

 

O presidente do Serta, Germano Barros, destacou que o Serta é uma escola técnica que já formou mais de 2 mil jovens. Agora, a instituição está com as inscrições abertas para uma nova turma. Ao todo, serão oferecidas 300 vagas e, para participar da seleção, os interessados precisam entrar no site www. www.serta.org.br e preencher uma ficha de cadastro, até o dia 12 de fevereiro. Depois, os candidatos serão chamados para participar de uma entrevista e fazer uma redação.

 

“A agroecologia é uma ciência alinhada com os desafios contemporâneos e com o futuro, pois ela dialoga com o debate ambiental das mudanças climáticas e da necessidade do desenvolvimento sustentável. agroecologia também reflete um modelo econômico mais equilibrado na geração de renda, na alimentação sem agrotóxicos, e na ocupação adequada das áreas rurais e urbanas. Nesse aspecto, a formação oferecida pelo Serta é uma maneira de disseminar o conhecimento e contribuir para a consolidação de um ambiente mais sustentável”, disse Barros.

 

Financiado pela Secretaria Estadual de Educação, o curso é gratuito e dura 18 meses. Ele segue um regime de alternância, em que os educandos ficam por uma semana nas unidades de ensino e por três semanas com a família e a comunidade, desenvolvendo pesquisas, leituras, escritas, mobilização social e tecnologias nas propriedades que residem ou compartilham. Dessa forma, podem aplicar, sob o acompanhamento e orientação dos professores, a metodologia aprendida.